Projeto Canadá: conheça história de um casal gaúcho na Nova Scotia

Um casal gaucho na nova scotiaO Elder e a Fabiane estão entre os vários amigos que fiz através das redes sociais do Canadiando. Tenho muita satisfação em compartilhar com vocês essas histórias de sucesso. Elas não caem do céu. São fruto de muito esforço e um projeto de imigração consistente. Sim, você poderá ter sorte em alguns momentos, mas mais da metade do êxito alcançado vem da dedicação e do estudo. Anotem todas as dicas deste casal que está adorando morar na Nova Scotia. 

Canadiando:  Me fale um pouco sobre a vida de vocês no Brasil.
Elder: Nós morávamos em Novo Hamburgo, cidade a 30 km de Porto Alegre (RS). Eu nasci em uma pequena cidade na encosta da serra gaúcha chamada Dois Irmãos. Estávamos ambos estáveis na setor profissional, eu na área de suprimentos e a Fabiane em recursos humanos.

Canadiando: E qual foi o motivo que trouxe vocês para o Canadá?
Elder: Desde pequeno eu pensava em morar aqui. Era apaixonado pelas paisagens, qualidade de vida, enfim, aquilo que todo mundo já sabe. Consegui realizar esse sonho em julho de 2017 quando nos mudamos para a região de Halifax (NS). E viemos para ficar. 

Canadiando: Como vocês iniciaram esse projeto de mudança de vida?
Elder: Começamos em janeiro de 2015, quando já visualizava uma deterioração econômica no Brasil. Eu trabalhava uma multinacional e via ela sendo atingida diretamente pela crise. Junto com isso, houve a eleição do Partido Liberal e as mudanças nos processos de imigração, como o Express Entry, nos deixaram mais empolgados. Comecei a estudar todos os caminhos para saber em qual nos encaixaríamos melhor: se havia alguma forma de vir com residência permanente etc. Mas era tudo muito difícil. Então começei a focar no pacote “estudo + trabalho”. Foram dois anos e meio avaliando os processos, planejando e guardando dinheiro.

Brasileiros em Halifax - Canadá
Arquivo pessoal

Canadiando: Qual o ponto mais difícil que você lembra desse início?
Elder: Além de economizar, uma questão que consumiu muito tempo entre pesquisas, discussões e cálculos financeiros, foi escolha da cidade onde iríamos morar. Para ter uma idéia, passamos por praticamente todas as províncias antes de bater o martelo pela Nova Scotia. Nossa primeira opção era Winnipeg. Eu tinha um colega que estava nesse mesmo processo e ficávamos trocando figurinhas. Não conseguimos ir na mesma época que eles por motivos financeiros e pelo medo que tínhamos de não nos adaptar com o frio. Também pesquisamos sobre os  colleges de Edmonton, Calgary, Toronto, Saint John (NB) antes de chegarmos na NSCC, em Halifax.
Nossa decisão se baseou em pontos como custo, qualidade de vida, clima e possibilidades de emprego. Apliquei para o college no início de março e quando consegui a Letter of Acceptance (LOA) começou a corrida para aplicação do visto.

Canadiando: Vocês utilizaram alguma agência para auxiliar com o visto?
Elder: Fizemos todo nosso processo sozinhos. Estudamos bastante o site da imigração e com isso nos sentimos seguros para aplicar.

Canadiando: A adaptação na cidade foi tranquila?
Elder: Desembarcamos em Halifax no dia 
20 de julho de 2017, nunca vou esquecer. Era uma noite em que até a nossa host do AirBnb teve dificuldade de dirigir por causa da neblina. No início corremos atrás de tudo que precisávamos. Tivemos várias opções de apartamento até encontrar aquele que se encaixava em nosso orçamento e que parecia estar de acordo. Parecia….

Casal brasileiro no Canadá
Arquivo pessoal

Canadiando: Parecia? O que houve?
Elder: Uma verdadeira novela. Vizinho bêbado, casal do apartamento do outro lado brigando e gritando, cheiros estranhos e outras coisas bem complicadas. Fomos obrigados a nos mudar. Depois de dois meses nesta “confusão” de imóvel percebemos que quando se abre mão de TODAS as comodidades que temos no Brasil, é preciso estar ciente de quantos passos para trás serão dados ao se mudar de país. 
E existe um limite que você aguenta em andar para trás. No caso deste apartamento que tivemos problemas, estávamos no nosso limite. Tínhamos a presença da polícia com frequência nos prédios e isso nos assustou. Não era esse Canadá que esperávamos encontrar. Mas graças ao nosso planejamento sólido conseguimos manter a cabeça sã e mudar novamente. Desde então moramos no mesmo lugar e nunca mais tivemos problemas.

 

Canadiando: Me conte um pouco da sua experiência profissional no Canadá hoje.
Elder: Tem duas coisas que acho importante compartilhar. A primeira é que no final do ano inicial de college, trabalhei no escritório internacional da NSCC. Isso me abriu inúmeras portas. Estar perto das atividades e até buscar trabalho junto a sua instituição de ensino é uma coisa importante para quem está chegando. Tive a oportunidade de ter contato com pessoas extremamente especiais e que me ajudaram demais. Minha ex-chefe e seu marido se tornaram grandes amigos.

A segunda coisa é que no meu último ano dos estudos eu apliquei e fui aceito no “Canada Study and Stay – Nova Scotia”. Este programa oferece diversas oportunidades para que você se insira no mercado de trabalho, e sei que agora ele também existe em todas as províncias do Atlântico. É uma ótima porta de entrada para alunos que estão terminando o college e a universidade. 
Através dele você tem a chance de conseguir um “mentor”, um membro voluntário da comunidade, com o qual terá encontros mensais para troca de informações e direcionamento profissional. Foi numa dessas reuniões com meu mentor, que é gerente de uma grande empresa de desenvolvimento sistemas de segurança para o governo canadense e americano, chegou com uma oferta de emprego de uma empresa desconhecida. Eu já estava mandando meu currículo para inúmeras vagas na área de suprimentos. No mesmo dia o vice presidente dessa empresa me ligou e marcou uma entrevista para a semana seguinte. Estava bem animado porque a vaga era 90% igual ao que eu fazia no Brasil.                 

Pra tornar as coisas mais emocionantes, a empresa ficava a 100km da onde morávamos e no dia da entrevista tivemos a pior tempestade de neve da temporada. Consegui chegar em tempo.  Achava que tinha ido bem, mas mesmo assim continuei aplicando para outras oportunidades. Logo no dia seguinte fui avisado pelo meu mentor que eles me enviariam a job offer. Fiquei muito feliz porque meu plano de conseguir um bom emprego antes de terminar o college já estava completo.

Canadiando: E a Fabiane, sua esposa, conseguiu se adaptar bem neste período de conseguir a job offer etc?
Elder:
Ela me ajudou muito. Logo que consegui o trabalho e tudo se organizou ela começou a focar para se desenvolver profissionalmente e buscar oportunidades. Muitos empregos de entry-level são cruéis e  desgastantes.  Ela está tendo aulas para melhorar o inglês e temos certeza que em breve tudo irá se ajeitar.

Canadiando: E como está o caminho pra residência permanente?
Elder:
A empresa que trabalho aceitou se cadastrar no Atlantic Immigration Pilot Program e o próximo passo é juntar mais papel e aplicar para nossa residência permanente. Falta pouco. 

Canadiando: Qual o melhor conselho que você pode dar para quem está começando o seu Projeto Canadá?
Elder: Eu acho que não tem só um conselho, mas vários, mas posso dizer que a preocupação com um planejamento bem feito seja o mais importante deles. Pesquisem fontes confiáveis e não somente grupos de Facebook. Leiam o site do governo, esse será seu melhor guia por um longo tempo. E faça dessa jornada uma coisa prazerosa, porque ela não será fácil e levará tempo para as coisas darem certo. Mantenham o foco e o resultado final chegará. 🍁

O Projeto Canadá tem como objetivo relatar as histórias – sempre incríveis –  dos imigrantes de língua portuguesa que estão recomeçando a vida na América do Norte.

🎯 Se você pretende ou já mora no Canadá e quer dividir a sua jornada e inspirar muitas pessoas, mande uma mensagem clicando aqui.

1 thought on “Projeto Canadá: conheça história de um casal gaúcho na Nova Scotia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *